segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Poema das três coisas

Quando a lua está baixinha assim no céu
Amarelada como um queijo,
Dá até água na boca
Eu lembro dos fondues que a gente fazia aqui em casa
Assistindo os filmes esquisitos que a sua irmã emprestava.

Nunca vou esquecer do “ morangos silvestres”
Nós deixamos os morangos do filme e lado
E nos concentramos em outros
Longa-curta noite...

A lua está mais alta agora, bem branca
Como um pingo de tinta num papel bem escuro

E eu amo você.


É muito bom ficar assim, sem fazer nada...
Só olhando, respirando, amando...
São estas três coisas que me fazem saber que estou vivo:
A lua, a respiração e você...
Você.

9 comentários:

Exist disse...

com essa lua dividirei a solidão
ela não pode me subestimar e sorrir
seu rosto nunca mostrará o que não é real e então ela olha pra mim como um presente para as memórias futuras...

saudações rubro negras ;)
te adoro linda, beijos =)

Filipe disse...

Muitíssimo bom!
=)

thiago disse...

BBoY TOkinha
Nossa vc sabe realmente o sentido de vida,precisamos de pessoas assim =))) bjsss

Denis disse...

Belo poema (carta de amor) !!! Parabéns, bjus!!!

ivan lima disse...

lindo vc estar amando.bj

R.L. disse...

Haha, quando escrevi esse poema eu não estava amando.
A lua que me inspirou, essa histõria do poema nunca aconteceu comigo.. eu inventei, foi durante uma aula de interpretação.
As vezes invento histórias na minha cabeça..
Mas acho que estou amando sempre.. o tempo inteiro, todos os dias.

nataliakochem disse...

este é um dos mais bonitos!
quando eu leio ouço tocar uma baladinha bem suave, daquelas que quando vc ouve vc abraça alguém e vai dançar... aquelas que só tocam bem nas vitrolas.
[esqueci de comentar isso aqui tem um tempinho...abraços, nat]

nataliakochem disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
nataliakochem disse...

sempre lembro desse... hoje mesmo foi um dia...