terça-feira, 9 de setembro de 2008

Sai de mim

Quando a alma levita
As assas ressoam um som desigual
Os olhos encharcam o sorriso tremido
E aquilo se torna imortal

Quando o pensamento voa
A visão entorpece num pico sem fim
A dor do vazio encanta
Quando a alma sai de mim

Quando a emoção se torna a única razão
E não há o que possa parar
Não há quem ponha meus pés no chão
Quando a alma começa a flutuar

Quando as mãos tentam pegar
Os joelhos tremem até cair
Se o corpo não puder mais suportar
A alma sai de mim

-------------------------------------------------------------------

Escrito depois da estréia da minha peça do ano passado, essa é a sensação de atuar.

6 comentários:

Pamela disse...

Já até perdeu a graça te elogiar . Lindo rice :*

Márcio Morais disse...

Só você escreve assim!

Victor disse...

Futeis Devaneios Estéticos... =8D

Brum disse...

lindo lindinha!
saudades...

Maicosul disse...

Um copo, uma boa conversa
Um livro, um sorriso
Vida que vai
Outro livro, outro copo
Aqui estamos
Aqui, e ali
Sempre
Somente, e somente se
Estamos juntos
Assim saímos do corpo.
O encontro não se dá, e assim
os corpos permacem enraizados no chão
e a alma
morta.

Increible!

lucas disse...

Adorei a tua visita no Caminhos Contínuos, é sempre muito bem vinda a presença de pessoas encantadouras, repletas de energia, simplicidade e Luz.Que os teus guias de luz, amparem sempre as tragetórias da tua caminhada.
RECOMENDO A VC O MEU OUTRO END. CHAMA-SE FALANGES DO VENTO.
http://lucalima.zip.net
beijos na palma das tuas mãos. Lucas