terça-feira, 11 de maio de 2010

Click em preto e branco

É isso aí. Agora a gente tranca a porta pra ter mais privacidade. Seria inadmissível outros olhos a invadirem seu corpo, seu sorriso. Hoje ele é meu, somente meu.
Eu sei, o cheiro da tinta incomoda. Não adianta pedir, ninguém tem a decência de tirar os sapatos, sempre tenho que pintar o fundo de novo e de novo.. ao menos isso me mantem focada. É a única maneira de olhar para o infinito sem ficar divagando muito.
Eu vou ligar uma música pra você ficar mais a vontade, e eu também, acho. Na verdade tenho problemas com ansiedade. E além disso tenho problemas com seus olhos, eles sempre me deixam suando frio.
Fechar a cortina, ligar os refletores. Começamos a trabalhar, você fica surpresa porque são suas músicas preferidas tocando, isso ajuda. Mas você não sabe que eu sei todas as suas cem músicas preferidas, em ordem.
Primeira bateria completa, mais um rolo. Segunda completa, a primeira sessão está ok. Seu sorriso é lindo.
Eu esqueci o filme na outra sala, tenho que ir buscar. Você fica séria nessa hora, porque? Me olha como se pensasse em algo que não pude decifrar. Com licença, volto já.
Procuro, mas alguém mexeu no meu armário, mudaram meus filmes de lugar, tive que olhar na sala de armazenamento toda, quase acendi a luz da sala de ampliação e queimei todos os papéis. Estava ficado a beira de um ataque de nervos. Onde estava o maldito filme?
Armários, em baixo de mesas, gavetas, perguntei a todos no corredor e salas do andar. Nada. Droga, eu precisava terminar, faltavam as mais bonitas, as mais sutis, aquelas em que você confunde o fundo com a pele, os olhos destacados , o cabelo bem negro. Tento me recompor para entrar na sala novamente e te dar a notícia de que teríamos continuar outro dia. Você não iria gostar nada, tanta coisa pra fazer, tantos projetos, trabalhos, pessoas. Nem sei como você veio parar aqui, nem o que está fazendo aqui, como consegui isso. Angustia, é como se eu estivesse deixando a primeira dama esperando enquanto tento arranjar uma desculpa para minha desorganização. Inútil.
Mão na cabeça, de um lado pro outro, olha pra porta, volta, anda mais rápido, vira e revira, desculpas, ameaça, recua, e agora? Anda mais, mão no queixo, outra na cintura, olha pro chão, espera um milagre cair do céu, ele demora, desisto e abro a porta num impulso de desespero.
Paro.
Estagno.
Olhos congelados, boca, nuca, mão, respiração, corpo, alma.
Eu não sabia que você tinha topado fazer modelo nu também. Realmente não contava com isso. E agora? Eu não teria nem tempo de ter um ataque de nervos.
“ Eu... eu não sei onde eu botei o filme, eu...”
“ Feche a porta.”
É claro, que imprudência, fiquei ali, na inércia de um movimento travado correndo o risco de te expor, expor teu corpo a olhos que não são olhos de ver, que não te merecem. Tranco a porta, movimentos lentos, ainda abalados.
Vejo o chão, lentamente levanto o olhar, com medo de encontrar os teus. E gradualmente, tudo vai ficando em preto e branco.
Aquela música antiga, começa a tocar. É a gravação que fiz do meu vinil, sua bossinha favorita, eu sei. Também amo as palavras de Vinícius de Moraes.
Agora que não existem mais cores pra me distrair, vejo melhor os contrastes. Vejo você ali, no meio de todo aquele branco infinito, que na verdade fica tão próximo e pequeno perto da tua beleza.E vejo, algo preto se destacando, como uma caixinha.. como um...
Me aproximo sem acreditar, sinto aquilo tudo se dissolvendo, está no bolso do casaquinho de tecido leve que se esparrama sobre seus ombros, única peça de roupa no teu corpo.
Tão próximo que eu nem sei dizer o que está acontecendo. Sempre te olhei nos olhos, acho que agora pela primeira vez nos olhamos. Você tira do bolso o meu filme, sem desviar o olhar. Eu pego, volto pra mesa onde estava a câmera, ponho o filme dentro, me aproximo de novo, você ainda está séria. E seus olhos ficam lindos assim, expressivos. Essa é a minha foto.
O botão é apertado. A gente escuta o filme andando um pouco pro lado, dando vasão pra próxima foto. Te olho nos olhos através da lente, abaixo a câmera, nos olhamos pela segunda vez...


E eu não vou deixar registrado nesse conto o que acontece depois, porque todo artista gosta de incitar a imaginação dos seus apreciadores... e afinal de contas, é coisa pessoal nossa.

Click!

Ouço o filme rebobinar.


------------------------------------------------------------------



R.

13 comentários:

L. disse...

Ficou muito boom! Melhor ainda é imaginar o que aconteceu depois do último "Clik" :P

Thaisa disse...

Lindooo... =D
Faço até idéia do q tenha acontecido depois do "click", mas prefiro não comentar !!
kkkkk...

barbara disse...

this is so romantic...bem bonito, parabéns hehe

J.Losso disse...

lindo texto, mas me tira uma dúvida, veridico?

R.L. disse...

Quem dera, hahaha

Márcio Vandré disse...

As fotos são ou não pausas da vida?
São!
:)
Um beijo!

Paloma disse...

Bem profundo... adorei!!!

=*****

Sílvia disse...

Lindo, é o começar de um novo filme, um argumento totalmente limpo apenas com a beleza de uma foto tirada :)

shaaa disse...

maravilhas da imaginação, minha cabeça foi criando imagens perfeitas para cada palavra escrita aqui por vc.
e depois do click, bom cada um imaginou o que lhe cabia neh!?
rsss

beeijo

Rívia Petermann disse...

Eei

Texto incrível...adorei.
Gostei de tudo,mesmo o final...

Seguindo...
Beijos!

Jefferson de Morais disse...

Muito bom, R.L.!
Gosto bastante do teu estilo.

Abraço,
Jefferson.

Camila disse...

E eu não vou deixar registrado nesse conto o que acontece depois, porque todo artista gosta de incitar a imaginação dos seus apreciadores... e afinal de contas, é coisa pessoal nossa.

ha gostei dessa parte do final (:

nataliakochem disse...

maravilhoso.